PARA FALAR CONOSCO

Entre em contato pelos emails:

mariasdeoliveira@hotmail.com
mariasantosdeoliveira13@gmail.com
marsan_oliveira@yahoo.com.br

Será um prazer atende-los.

sábado, 9 de junho de 2012

LIÇÃO 11

Problemas enfrentados na obra missionária!














O missionário, ao chegar a uma nação estranha, fatalmente há 
de se defrontar com os inimigos naturais da terra. Até pouco 
tempo, quem se aventurava a pregar na antiga União Soviética
 convivia com a perspectiva de prisão ou morte nas garras do 
comunismo. Hoje o mesmo inimigo está vivo na China. O 
islamismo persegue, prende e mata os cristãos no Oriente Médio.
 São os gigantes das canaãs missionárias, que impõem o terror 
para manter sua hegemonia e impedir o avanço do Evangelho. 
Israel encontrou poderosos inimigos – e gigantes literais – na 
terra da promessa:

E contaram-lhe e disseram: Fomos à terra a que 
nos enviaste; e, verdadeiramente, mana leite e mel, e este 
é o fruto. O povo, porém,
 que habita nessa terra é poderoso, e as cidades, fortes e muito 
grandes; e também ali vimos os filhos de Anaque... descendentes 
dos gigantes; e éramos aos nossos olhos como gafanhotos e 
assim também éramos aos seus olhos (Números 13.27,28,33).

                                              
A Colômbia também é habitada desde a época do descobrimento 
por uma raça de gigantes: a Igreja Católica. A Espanha alimentava 
um ideal religioso, que conferia às suas conquistas militares um 
objetivo missionário. Os novos reinos de ultramar seguiam um 
político-religioso. Os laços entre o Estado e a Igreja Católica eram 
estreitos. No século XVI, predominou a ideia de um vicariato régio, 
que outorgava ao rei e seus representantes diretos poder para 
desempenhar funções pontifícias por toda a América Latina. No 
mesmo século, buscou-se transformar os habitantes do Novo 
Mundo no que chamavam “um verdadeiro povo cristão”, 
resultando em uma
 colossal ação evangelizadora para implantar doutrinas, liturgias e 
tradições católicas. Assim a opinião colombiana formou-se sob o 
ponto de vista do catolicismo.

Somente quando foi lavrada a constituição de 1991 a Igreja 
Católica perdeu sua posição privilegiada. Agora as leis 
do país concedem maior
 liberdade ás minorias étnicas e religiosas.

Quando cheguei a Cúcuta, pisei macio para não acordar os 
gigantes da cidade. Porém as primeiras conversões já
 alvoroçaram o clero. E daí em diante fiquei na mira 
da Igreja Católica. Cada templo erigido, cada projeto 
executado, cada ação conjunta de nossa “seita protestante” –
 que é como costumam denominar o Centro Cristiano e a
 Assembleia de Deus – tem uma história de 
sobrevivência a um bombardeio romano.


Extraído da obra “Missão Cúcuta” de José Satírio dos Santos e
 Judson Canto, Rio de Janeiro, CPAD, p. 149-50

Professor (a) converse com os seus alunos sobre a 
importância dese fazer Missões e o seu desdobramento 
(local, regional,nacional e internacional). Boa Aula!



Nenhum comentário: