PARA FALAR CONOSCO

Entre em contato pelos emails:

mariasdeoliveira@hotmail.com
mariasantosdeoliveira13@gmail.com
marsan_oliveira@yahoo.com.br

Será um prazer atende-los.

domingo, 14 de outubro de 2012

REFLEXÃO LINDAAA

POBRE FAMÍLIA RICA


Um menininho voltou para casa triste, depois de passar a tarde brincando na casa de um de seus amiguinhos, que era muito pobre. Aquela amizade preocupava os pais do garotinho de classe média, pois ele sempre havia tido tudo do melhor, e nunca tinha presenciado a falta de algo em casa, que fosse do mais necessário, ao mais supérfluo. Mesmo receosos com a diferença de realidade, eles permitiam que o filho se relacionasse com o amiguinho, pois viam que era uma amizade sincera e pura.
Mas naquela tarde, algo havia acontecido. O menininho se sentou no sofá da sala, e algumas lágrimas rolaram em sua face.
Os pais ficaram agitados, nervosos e preocupados. Com o olhar, o pai acusava a mãe por aquela situação, pois ele era relutante em permitir aquela amizade. Pensando as piores coisas, já estava quase a ponto de ir atrás dos pais do amiguinho do filho, para tirar satisfações e perguntar o que tinham feito para o seu filho voltar para casa chorando daquela forma.
A mãe pedia calma com um gesto, mas sentia medo de ouvir do menino que havia sido maltratado. Sentou-se ao lado do filho para consolá-lo e perguntar o que tinha acontecido.
Com a voz distorcida pelo choro, o menino contou: - É que ouvi a mãe do Henrique dizer que eles vão comer ovo frito no Natal.
Parecia que os pais tinham levado um banho de água fria. Ficaram mudos, parados, entreolhando-se, sentindo um nó na garganta.
Antes que pudessem pensar em algo para dizer ao filho, o menino emendou: - Poxa! Que sorte tem o Henrique em ser rico! Porque eles comem ovo frito quase todos os dias, e deve ser muito caro mesmo, porque nós quase nunca comemos ovo frito! E até no Natal eles vão comer ovo frito, e nós, não!
Que vergonha sentiam os pais. Tinham pensado tantas coisas ruins sobre a família do amiguinho de seu filho, quando eles é que estavam sendo ruins, limitados, e preconceituosos. Ficaram ali, encolhidos, desarmados, envergonhados, enquanto o menino chorava por aquele pensamento tão ingênuo. Mas o filho tinha razão. Não há preço que valha desfrutar do que mais se gosta de fazer, do que mais se gosta de comer, por mais simplório que pareça aos olhos dos outros.
Quão ricos eram que se fizeram tão pobres!

2 comentários:

Camila Guimarães Lopes disse...

Lindo bloog!
http://artigoscamilalopes.blogspot.com.br/ da uma olhadiinha no meu Maria' partc se der ! obg bjs

Maria disse...

Obrigada Camila, vou passar la dar uma olhadinha sim.